TEXTO: KAYSEN PARA NÓS - PRESIDENTE DA AGQ - CLOVIS OYARZABAL

Para os japoneses a palavra Kaysen significa melhorar sempre! Em meus estudos, no Japão, ao final de cada aula ou palestra, os professores elevavam a voz e diziam KAYSEN!

Para eles cabe, a cada pessoa analisar seus processos de trabalho e buscar, constantemente, o aperfeiçoamento!

Pois foi desta forma, simples, que a população conseguiu ajudar na riqueza do país!!

A nós cabe, seguir o bom exemplo e nos conscientizar de que também podemos chegar lá!!

Se cada cidadão ativo, somos mais de 100 milhões, tiver a vontade e a dedicação para melhorar aquilo que faz, em pouco tempo teremos um país melhor para todos .

Diuturnamente devemos pensar qual é a nossa responsabilidade e como podemos aprimora-la!

Perguntar sempre:

Como posso melhorar meu trabalho, tornando-o mais simples, com menor custo, com maior segurança, com menor esforço físico, mais rápido e que atenda às expectativas de meus clientes!!

Tudo é processo desde  uma viagem espacial a elaboração de um cafezinho, portanto passíveis de melhorias!!!

Não podemos nos acomodar no conforto e conviver passivamente, com processos ruins e problemáticos!!

Devemos, pois, fazer a crítica aos processos e a auto crítica ao nosso comportamento!!

A crítica ao sistema, como um todo, é muito mais justa e contundente para quem faz a sua parte!

Nunca podemos esquecer de que se queremos mudar o mundo, a primeira atitude é mudar a nós mesmos sobre a forma que agimos!!

Sempre haverá uma melhor maneira para, se fazer as coisas!

Não há limite para, a criatividade!!

Busque a perfeição mesmo que seja um sonho!!

As lideranças cabe o incentivo, o bom exemplo é o aporte de recursos!!!

As autoridades e mídia cabe a auto análise de seus próprios processos e não atrapalhar quem gera a riqueza !!!

 

Clovis Oyarzabal - Presidente da AGQ 

Confira também:

8 Dicas para Aproveitar ao Máximo o Feriado em Família

A Armadilha da Análise da Causa (Antonio Kossmann Miozzo - Consultor da AGQ)

A Rotina do “Círculo Vicioso” e o ponto de corte para o “Círculo Virtuoso” (Antonio Kossmann Miozzo - Consultor da AGQ)