Texto: A.R.R.A.S.O. - por Gustavo Becker - Consultor AGQ

       Quem não quer ser um arraso? Aliás, essa gíria até que é bem demodê. Tanto que é parte de uma música do século passado. Acredito que já tenham ouvido “Um Arraso De Mulher” na voz de Zezé Di Camargo ou do Leandro e Leonardo. Ela dizia assim:

(...) “Ela pensa que é demais que morro por ela

Que sou frágil sou mais um na vida dela

Ela pensa que eu sou apaixonado

Mais um bobo alucinado que faz tudo que ela quer

Ela pensa que é de mais

Uma loucura, um avião lá nas alturas

Uam arraso de mulher” (...)

       Todo o texto acima direciona para alguém que está acima das expectativas, que possui algo diferenciado, que “pensa que é demais” e que alguém até “morreria por ela” de tão fantástica, tão impressionante que é essa pessoa. No dicionário temos a tradução que “arraso” é uma pessoa ou coisa espetacular, sensacional. E é aqui que queria começar essa reflexão, você já se sentiu um arraso no seu trabalho?  

       Você já percebeu ser um arraso no mundo corporativo? Sua vida corporativa ou o seu curriculum é um arraso? Pois então, é exatamente sobre isso que gostaria de escrever em poucas linhas: A.R.R.A.S.O. Assim mesmo, com pontinhos entre as letras, para caracterizar bem um acrônimo. E após a reflexao deixar a sugestão de como ser uma A.R.R.A.S.O no mundo corportativo.

       Esse acrônimo vem de um curso que fiz no inicio desse século que me ensinou algumas boas práticas que quero dividir como todos. Sempre curti muito o mergulho na minha vida, e tive inúmeras oportunidades de mergulhar. Pratiquei desde o mergulho de apnéia ou de snorkel e máscara, também considerados como mergulho livre, sem equipamentos complexos de reposição de ar, como também em mergulho autônomo.

       O mergulho autônomo é aquele mergulho que um mergulhador utiliza equipamentos de SCUBA (Self Contained Underwater Breathing Appartus). O mergulho autônomo é mais complexo e exige no mínimo o batismo (mergulho autônomo com auxílio de um instrutor) e é aquele que se usa cilindro, oupas específicas, adaptadores, bocais, asas, lastro, nadadeiras, mangueiras, bússolas de pulso, coletes, manômetros e profundímetros, e tantos outros equipamentos.

       Mas apenas curtir fazer algo não é o que basta, é preciso entender e estar preparado para isso. Me incomodam aquelas frases motivacionais do tipo: se você fizer o que ama, você nem precisará trabalhar na vida. Eu discordo, e vou dizer mais, trabalhar não é ruim. Pelo contrário, é o compromisso com o trabalho, com as metas, com a empresa, com os colegas, com os clientes, que nos faz melhorar e sermos excelentes. E é isso que quero abordar, afinal o mergulho, embora seja um esporte, uma prática também recreativa, possui risco. Mergulho tem alto índice de morte para um prática recreativa.

       Portanto não basta apenas fazer o que se ama, tem que estar preparado, capacitado e altamente comprometido para evitar o pior. De acordo com um estudo de 2005 realizado pelo Health and Safety Executive o mergulho atinge normalmente um percentual de 0,013 mortes por praticantes.

       De acordo com uma matéria do canal BBC de Londres, de 2019, é considerado um dos 15 esportes mais arriscados mundo ficando a frente de escaladas em montanhas e slackline highline (aquele de atravessar cânions caminhando numa corda de uma borda para a outra). Ou seja, não é bem assim brincar de ser mergulhador. E agora, quero falar para vocês da minha experiência como mergulhador e o que isso tem a ver com o mundo corporativo.

       Tive oportunidade de mergulhar em Cozumel, Angra dos Reis, Búzios, várias praias do nordeste brasileiro e até mesmos nos tradicionais pontos de mergulho das águas frias de Santa Catarina. Mas para poder fazer o mergulho que queria, que foi em caverna de rio subterrâneo no México, entendi que era importante me preparar e fui buscar uma certificação.

       Desde o início deste século sou certificado e capacitado a ser instrutor pelo PDIC International (Professional Diving Instructors Company), que me ensinou que todo mergulhador precisa ser um ARRASO. O que é o ARRASO para o PDIC? Um mergulhador ARRASO é um mergulhador que consegue possuir a capacidade de se adaptar ao fundo do mar.

       O primeiro A direciona os indivíduos para a Aquacidade, afinal o fundo do mar é estranho para nós humanos e precisamos ter a capacidade de entendermos que estamos num ambiente aquático. Um mergulhador ARRASO precisa manter sua Respiração. A respiração humana sofre muito com a profundidade e com a pressão que a água exerce sobre o corpo e ela precisa ser constante e correta.

       Isso se dá através de treino adequado para executar bem. Eu somente fui certificado depois de 10 dias de treinamento, sendo 4 deles por mais de duas em piscinas, para depois ir para o fundo do mar. Embora pareça engraçado o segundo R do ARRASO é a consciência que precisa respirar sempre.

       Respirar é manter-se vivo embaixo dágua. Precisa respirar sempre e não pode entrar em pânico, porque isso altera a respiração. O segundo A, de Atitude que é uma das coisas que mais se exige de mergulhador. Ter atitude embaixo dágua é fundamental, inclusive a certificação só ocorre depois que o mergulhador possui todos seus equipamentos retirados a mais de 10 metros de profundidade e precisa encontrá-los, vestí-los e claro, continuar no fundo da água.

       O S do ARRASO está ligado à atitude, pois é a atitude que dá ao mergulhador a capacidade de administrar o Stress. Estar embaixo dágua, talvez a mais de 20 metros, leva o ser humano a ter duas vezes a pressão atmosférica sobre o seu corpo. É necessário fazer descompressão e a capacidade pulmonar cai pela metade. Administrar tudo isso, mais a pressão no ouvido e na cabeça, fora a presença do nitrogênio pode alterar toda a percepção do indivíduo.

       E por último, o O do ARRASO, que significa orientação: plano, equipamentos, tempo, sinalização e apoio são fundamentais nessa última etapa do acrônimo. E você deve estar se perguntando o que esse lance todo de ARRASO tem a ver com o mundo empresarial? Simples. No mundo corporativo também precisamos ser um ARRASO, senão vejamos.

       A – Adaptabilidade: capacidade de se ajustar às necessidades da empresa, e principalmente, do mercado e assim estabelecer formas de contribuir e entregar o máximo possível de si, aos outros, à empresa, ao mercado, aos clientes. Adaptabilidade é fundamental no mundo corporativo, seja num novo emprego, num novo cargo ou na rotina do dia a dia.

       R – Resultados: tal qual a respiração do ARRASO original os resultados são os motivos que nos mantém vivo no ambiente corporativo. Resultados são o nosso ar que respiramos em qualquer empresa.

       R – Resiliência: outra grande habilidade, parecida com a adaptação. Ser resiliente é ter capacidade de aguentar a pressão, superar as dificuldades, adaptar-se às mudanças, e ainda ter a condição de estar sempre pronto para os novos desafios.

       A – Atitude: conheço muitas pessoas que foram contratadas pelo seu conhecimento e demitidas pelas suas atitudes (ou pela falta delas). Atitude é o que te move em direção aos teus objetivos. Atitude é vista e valorizada. Atitude é a alavanca da promoção, do crescimento profissional dentro da empresa.

     S – Stress: inteligência ou equilíbrio emocional é um grande diferencial no mundo corporativo. Ser equilibrado, possuir autoconhecimento, ser automotivado, reconhecer os demais indivíduos e saber lidar com relacionamentos, é algo diferenciado no mundo empresarial.

       O – Orientação: impossível pensar em liderança sem pensar em orientação. A orientação, o direcionamento, a coordenação e as trocas com um bom líder, ou através de um mentor, é fundamental no desempenho das suas atividades. O desenvolvimento pessoal passa por isso.

       O desenvolvimento individual passa por essa fase: uma mentoria e uma liderança direcionada a explorar e desenvolver o melhor de cada um. Entendido o conceito de ARRASO, tanto para os mergulhadores, quanto para os trabalhadores normais, é importante reforçar que ninguém chega a ser um ARRASO sem treinamento, sem capacitação, sem orientação correta.

       Você já é um ARRASO? Você está preparado para ser um ARRASO? Você quer ser um ARRASO? É fundamental se preparar para o mundo corporativo. E neste ponto buscar apoio externo muitas vezes é a solução para as dificuldades do dia a dia corporativo. Vem entrar no mundo do ARRASO, você não vai se arrepender.

Confira também:

8 Dicas para Aproveitar ao Máximo o Feriado em Família

Ações neste período de CRISE - Instrutor Cesar Roth

AGQ Auditorias